Escolha uma Página
Gestão de pessoas: qual a importância de um plano de saúde?

Gestão de pessoas: qual a importância de um plano de saúde?

A gestão de pessoas passou a ser uma função estratégica dentro de qualquer organização. O capital humano é o bem mais importante que a empresa possui e isso fez com que ele fosse cada vez mais valorizado

Tudo o que é feito em um negócio deve trazer impactos positivos no mercado e para os colaboradores. Oferecer benefícios é uma forma de conseguir esse resultado e o plano de saúde está entre os mais desejados.

Mesmo com os novos modelos de trabalho como o home office ou híbrido, os benefícios contribuem para o clima organizacional e desempenho. A oferta de um plano de saúde afeta positivamente a gestão de pessoas.

Retenção de talentos

Se as pessoas são valiosas, essas não podem deixar a organização. Ter um local de trabalho atrativo com benefícios que contribuem com o bem-estar é uma forma de reter talentos.

Os colaboradores se preocupam em manter um plano de saúde, auxílio alimentação ou outros ganhos além do salário. Eles servem como um incentivo para que não deixem a empresa e continuem realizando um bom trabalho.

Veja mais:Problema com retenção de talentos? Descubra como resolver isso

Aumento da produtividade

Se o funcionário percebe que existe uma preocupação com ele, o trabalho é realizado com maior empenho. Essa é uma forma de retribuir o que a empresa está fazendo o âmbito de gestão de pessoas.

A motivação é um dos principais responsáveis pela produtividade, é claro, que somado ao conhecimento. Quando reconhecido, a tendência é que o colaborar produza mais, afinal, sabe que está sendo visto e quer mostrar seu potencial.

Redução de absenteísmo

Os afastamentos por problemas de saúde estão se tornando cada vez mais comuns, resultado do estresse e da falta de acesso a profissionais de saúde que ajudam com as doenças.

Uma boa gestão de pessoas se preocupa com o bem-estar dos colaboradores. É comum nesse caso ser aplicada a medicina laboral e disponibilizar uma assistência médica.  A orientação na empresa e o fácil acesso a médicos, evita o adoecimento. Consequentemente, ocorrem menos faltas e atrasos por questões de saúde.

Veja também:O que é seguro de responsabilidade civil?

Profissionais menos estressados

A gestão de pessoas deve pensar nos colaboradores e na famílias deles, afinal, isso impacta no trabalho. Um plano de saúde é um dos benefícios mais desejados porque impacta no bem-estar dos familiares.

Quando a assistência é estendida aos familiares, o profissional trabalha mais tranquilo e reduz sua carga de estresse. Ele sabe que precisando, cônjuge e filhos terão onde buscar ajuda médica em caso de necessidade.

Pode parecer algo simples, mas a preocupação nesse caso é um gerador de estresse e impacta no trabalho.

Ganho na qualidade

O ganho da qualidade pode ser visto de diferentes ângulos quando se trata de gestão de pessoas.

Para a área de recursos humanos existe uma melhora em diferentes indicadores já citados. Isso significa que as ações e a oferta de plano de saúde estão conseguindo resultados positivos.

Para os profissionais, é necessário manter um ambiente de trabalho adequado e o acesso aos serviços de saúde com preço justo. Além disso, a melhora da qualidade de vida não pode ser esquecida.

Para a empresa se nota um ganho na oferta dos serviços e produtos. Com pessoas motivadas e satisfeitas essas se dedicam as suas funções e elevam o nível do serviço.

A gestão de pessoas não pode se limitar a atividades laborais. Ela deve satisfazer as necessidades dos colaboradores no ambiente interno e externo da organização, e oferecer um plano e saúde pode ser o início desse processo.

Se interessou no assunto? Então veja nosso artigo e descubra como escolher um plano de saúde para sua empesa.

Melhores planos de saúde SP: A Coplana responde as principais dúvidas

Melhores planos de saúde SP: A Coplana responde as principais dúvidas

Até mesmo quem contrata os melhores planos de saúde SP pode ter dúvidas em relação ao serviço. E muitas vezes estão relacionadas a cobertura das carências e as formas de adesão.

A qualidade não costuma ser discutida, afinal, já foi feita uma seleção das melhores prestadoras destes serviços. Para as dúvidas mais comuns, montamos uma FAQ, confira a seleção a seguir.

Com quantas pessoas posso fazer um plano empresarial?

A quantidade mínima de beneficiários em um dos melhores planos de saúde SP empresarial varia conforme a operadora. Para pequenas e médias empresas, costuma ser exigida 2 ou 3 vidas.

Para contagem pode-se somar o titular e seus dependentes. Por exemplo, uma microempresa pode ter o empresário como titular e sua esposa como dependente. Dessa forma ele consegue contratar um plano empresarial com o CNPJ.

Em relação ao número máximo de vidas não é comum haver restrições. O que pode ocorrer é a operadora enquadrar a assistência em categorias diferentes como PME e grandes empresas.

Como funciona a compra de carência?

Os melhores planos de saúde SP seguem as regras da ANS, por isso permitem a compra de carência. Essa, na verdade, se refere a portabilidade do plano de saúde.

Quem já possui uma assistência médica, após um período de 2 ou 3 anos pode solicitar a mudança de operadora. Nesse caso, ela poderá aproveitar os prazos de carências que já foram cumpridos.

Isso permitirá a utilização dos serviços logo que fizer a adesão, entretanto, existem algumas regras para isso. Uma delas é o antigo plano estar ativo quando for solicitada a portabilidade.

Essa mudança pode ser feita em planos de pessoas físicas, por adesão e empresariais.

Veja mais:É possível evitar o período de carência na troca de plano de saúde?

Posso colocar pai e mãe?

A resposta para essa pergunta é: depende. A ANS determina que podem ser incluídos como dependentes dos melhores planos de saúde SP parentes de 1º, 2º e 3º grau. Nesse caso os pais estariam incluídos como de 1º grau.

A questão é que a regra diz que podem, mas, não que é obrigatório. Cada operadora tem a liberdade de escolher que poderá aceitar ou não. O mais comum é que a aceitação seja para cônjuges e filhos. Será preciso verificar as condições aplicadas por cada operadora.

No caso dos planos empresariais em que a organização paga parte ou integralmente dos custos, também podem impor restrições.

Como funciona o reajuste?

Existem dois tipos de reajuste em relação aos melhores planos de saúde SP: reajuste anual e por faixa etária.

O reajuste anual ocorre uma vez ao ano e serve para que os valores das despesas médicas que tiveram aumento possam ser reparados. No caso dos planos para pessoas físicas, a ANS determina qual o percentual máximo a ser adotado pelas operadoras.

Já os planos coletivos empresariais e por adesão não entram nessa regra de percentual máximo. O que acontece é o chamado reajuste por sinistralidade que visa equilibrar a receita x despesas.

A negociação do reajuste é feita diretamente entre operadora e contratante/administradora de benefícios.

Outro reajuste que pode ocorrer a qualquer momento é por faixa etária. Existem idades determinadas para os planos de saúde. Ao fazer aniversário, a pessoa pode sair de uma delas e passar para outra.

Quando isso acontece, costuma haver uma mudança de valores, essas novas tarifas devem ser conferidas junto à operadora. 

Veja também:Entenda como é feito o reajuste de plano de saúde

Qual a diferença entre o plano por adesão e o empresarial?     

A modalidade de adesão diz respeito a forma com os melhores planos de saúde SP foram contratados.

O plano de saúde empresarial é aquele que a empresa contrata para oferecer a seus funcionários e familiares. Isso significa que somente quem possui vínculo empregatício ou estatutário poderá ter acesso aos serviços.

O plano por adesão é voltado para sindicatos, associações, entidades de trabalhadores e outros similares. Ele é destinado a entidades que possuem pessoas vinculadas e que tenham uma afinidade.

Por exemplo, a OAB pode contratar a um plano por adesão. Os advogados que forem vinculados a ela, terão acesso ao plano de saúde e podem estender a seus dependentes.

Tanto no plano por adesão e no empresarial, somente quem tiver algum vínculo com o contratante poderá utilizar.

Além desses questionamentos podem surgir outros. Antes de contratar os melhores planos de saúde SP é preciso entender bem como ele funciona. Por isso, conte com a ajuda de um corretor e se torne um especialista nos serviços que sua empresa possui.

Quer fazer alguma pergunta ou receber cotações? Entre em contato conosco e nos diga o que precisa.

Por que contar com um corretor de plano de saúde?

Por que contar com um corretor de plano de saúde?

As facilidades que a internet proporciona, permitem contratar uma assistência médica sem um corretor de plano de saúde. Em um primeiro momento isso pode parecer interessante, mas, quando começam a surgir as dúvidas o cenário muda.

Existem termos específicos que são de difícil compreensão para quem não atua no meio. Além disso, por conta própria é mais difícil conhecer as operadoras e opções de planos disponíveis

Contar com um corretor de plano de saúde fará toda a diferença para adquirir o serviço com mais tranquilidade. Veja os motivos para ter a ajuda desse profissional.

Ter um corretor de plano de saúde experiente

O profissional que atua no ramo há algum tempo adquiriu experiência. Se trabalha em uma corretora terá ainda mais conhecimento, já que a empresa investe nele com treinamentos e atualizações de informações.

O corretor de plano de saúde saberá sobre as mudanças que ocorrem no serviço. Por exemplo, recentemente teve alteração no rol de procedimentos da ANS e o profissional sabe disso.

Ele também conhece quais são os trâmites burocráticos e como funcionam os serviços, na prática. Isso permite que oriente e atenda muito melhor aos clientes.

Veja mais:Corretora de saúde: Descubra por que a Coplana é a melhor

Contar com suporte antes, durante e após a contratação

É possível ter ajuda em todos os momentos a partir de quando decide ter o serviço. O corretor do plano de saúde buscará entender as suas necessidades, apresentará as opções, ajudará na contratação e no pós-venda.

Isso quer dizer que a todo momento não estará sozinho, sempre terá um profissional para orientar. Até mesmo após a venda ele continua à disposição. Se ligar na operadora, a cada contato falará com um atendente diferente.

Com o corretor de plano de saúde não tem esse problema, será sempre a mesma pessoa a lhe atender. O melhor é que ele já conhece o seu histórico e consegue te ajudar mais rápido.

Conhecer os detalhes da assistência médica

Ao pesquisar por um plano de saúde, você pode encontrar a opção ambulatorial ou hospitalar para contratar. Imaginando que queira um serviço para fazer consultas e exames saberia qual escolher?

Muitas pessoas não sabem o que significam esses e muitos outros termos técnicos que são usados nos serviços de saúde. Sem falar nas letras miúdas dos contratos que geram mais confusão.

Com um corretor de plano de saúde terá ciência do que está sendo oferecido sem precisar entender todos os termos técnicos. Ele explicará de forma simples, para que fique fácil de entender e permitir conhecer a fundo os detalhes do que está contratando.

Veja também:5 vantagens do plano de saúde ambulatorial

Ter um plano sob medida

Não é tarefa fácil encontrar uma assistência médica que caiba no bolso, tenhas as coberturas e rede credenciada que busca. Os detalhes do plano podem mudar totalmente esses pontos citados.

Para ter um plano sob medida é preciso entender os detalhes e comparar com as opções disponíveis no mercado. Isso o corretor pode fazer, pois, ele possui variedade no portfólio e consegue cruzar com as necessidades do cliente.

Dessa forma será possível ter uma opção que atenda exatamente as necessidades e consiga oferecer o melhor custo-benefício.

Contar com um corretor de plano de saúde é saber que terá a ajuda que precisa para encontrar e usar o serviço. Esse profissional pode fazer toda a diferença para que o cliente fique satisfeito e não tenha problemas com o serviço.

Antes de começar a pesquisar sobre plano de saúde, procure um corretor. Na Coplana temos profissionais que podem ajudar.

Rol de procedimentos ANS 2021: O que mudou?

Rol de procedimentos ANS 2021: O que mudou?

Os planos de saúde de pessoas físicas e jurídicas precisam seguir algumas regras para serem autorizados. Entre elas está a de oferecer todo o rol de procedimentos ANS aos beneficiários conforme a segmentação assistencial do serviço contratado.

De forma resumida, podemos dizer que as operadoras são obrigadas a garantir atendimentos e exames específicos. Esse rol determina o mínimo que a Agência Nacional de Saúde Suplementar considera necessário para que as pessoas cuidem da saúde.

A cada dois anos é feita uma revisão desse rol da ANS. São analisados novos procedimentos disponíveis, necessidades de cuidados, entre outros. Os custos e critérios técnicos também são considerados para que as mudanças sejam aplicadas.

Rol de procedimentos ANS: as mudanças

Como já era esperado, a ANS, por meio da Resolução Normativa (RN) nº 465/2021, incluiu novos medicamentos e procedimentos obrigatórios para as operadoras.

As medidas do rol de procedimentos ANS estão em vigor desde 1 de abril de 2021. Elas são válidas para planos de saúde que foram contratados após o primeiro dia de janeiro de 1999.

Para implementar essas mudanças, foram feitas discussões técnicas que permitiram ganhos para os consumidores e para o setor. Além disso, a população pôde participar através de uma consulta pública antes da definição final.

São 69 coberturas incluídas e algumas alterações que permitirão aos beneficiários terem uma assistência ampliada por meio da operadora de saúde. 

A maior parte delas são relacionadas a medicamentos, mais precisamente 50. São 19 antineoplásicos orais usados no tratamento de câncer. 17 imunobiológicos são indicados para tratar doenças imunológicas, inflamatórias e crônicas e 1 medicamento para deformidade óssea.

Já os procedimentos incluem: 6 tipos de exames, 4 terapias, 4 cirurgias, uma consulta e 4 mudanças nas diretrizes de utilização.

Veja a relação dos medicamentos e procedimentos que foram incluídos no rol de procedimentos ANS

Medicamentos adicionados

  • Abemaciclibe
  • Ribociclibe
  • Palbociclibe
  • Alectinibe
  • Esilato de Nintedanibe
  • Osimertinibe
  • Cabozantinibe
  • Regorafenibe
  • Lenvatinibe
  • Cobimetinibe
  • Dabrafenibe em combinação com Trametinibe
  • Apalutamida
  • Enzalutamida
  • Citrato de Ixazomibe
  • Lenalidomida
  • Ibrutinibe
  • Venetoclax
  • Midostaurina
  • Nilotinibe
  • Alentuzumabe
  • Natalizumabe
  • Ocrelizumabe
  • Betainterferona
  • Acetato de Glatirâmer
  • Adalimumabe
  • Omalizumabe
  • Benralizumabe
  • Mepolizumabe
  • Etanercepte
  • Guselcumabe
  • Infliximabe
  • Ixequizumabe
  • Secuquinumabe
  • Ustequinumabe
  • Golimumabe
  • Vedolizumabe
  • Terapia intravenosa com Ácido Zoledrônico para Doença de Paget

Procedimentos adicionados

  • Enteroscopia do intestino delgado com cápsula endoscópica
  • Ensaio para dosagem da liberação de interferon gama
  • Calprotectina, dosagem feca
  • Razão do teste sFlt-1/PlGF
  • PD-L1 – Detecção por técnicas imunohistoquímicas
  • FLT3 – Pesquisa de mutações
  • Ablação percutânea por corrente de crioablação para o tratamento da fibrilação atrial paroxística
  • Radioterapia intraoperatória por elétrons (IOeRT)
  • Terapia por pressão negativa
  • Hemodiafiltração online (HDF-OL)
  • Artroplastia discal de coluna vertebral
  • Cirurgia endoscópica da coluna vertebral – hérnia de disco lombar
  • Implante transcateter de prótese valvar aórtica (TAVI)
  • Osteotomia da mandíbula e/ou maxilar com aplicação de osteodistrator
  • Consulta com enfermeiro obstetra ou obstetriz

Alteração nas diretrizes

  • Tomografia de coerência óptica
  • Implante de monitor de eventos (looper implantável)
  • Análise molecular de DNA: inclusão do exame de “sequenciamento completo do exoma”
  • Transplante alogênico de medula óssea

Veja também:Normas ANS: Conheça as regulamentações para plano de saúde

Como as mudanças impactam os beneficiários?

Para os beneficiários dos planos de saúde, a mudança no rol de procedimentos ANS é sempre benéfica. Ela garante que os pacientes terão acesso a uma maior gama de medicamentos e outras opções cobertas pelas operadoras.

O melhor é que as alterações ocorrem de forma automática, não é preciso que o beneficiário solicite a inclusão. Se o médico verificar a necessidade do uso de um novo medicamento do rol de procedimentos ANS, o indicará. A operadora na sequência deve fazer a liberação conforme os trâmites internos.

Isso permite que o tratamento seja mais completo e que o custo final diminua para o consumidor.

Apesar das alterações, os reajustes dos planos de saúde não podem ser abusivos. Os de pessoa física devem respeitar o limite estabelecido pela ANS e os empresariais devem ser acordados entre as partes.

Para quem necessita dos medicamentos e exames do novo rol, já pode contar com eles. A Resolução Normativa (RN) nº 465/2021 está em vigor e os pacientes agora têm um tratamento mais abrangente com os planos de saúde.

Entenda como é feito o reajuste de plano de saúde

Entenda como é feito o reajuste de plano de saúde

Antes de contratar uma assistência médica as empresas precisam entender como o serviço funciona e de que maneira é feito o reajuste de plano de saúde. Ao ter esse esclarecimento não haverá surpresas quando os valores sofreram alterações e nem dúvidas de que maneiras isso foi feito.

Quando se fala de reajuste de plano de saúde é preciso ter atenção porque pode ocorrer por mais de um motivo e os percentuais aplicados podem variar, entenda melhor sobre isso.

Reajuste de plano de saúde anual

O reajuste de plano de saúde é aplicado uma vez por ano e possui autorização da ANS para ocorrer. A questão é como é calculado o percentual, uma vez que esse não é regulamentado pela Agência e visa cobrir possíveis despesas em relação aos custos com a saúde.

Para o reajuste é preciso dividir as empresas em dois grupos. Veja a seguir.

Leia também: Plano de saúde mais barato, é possível?

Reajuste de planos empresariais com menos de 30 vidas

As empresas que possuem até 30 vidas são reunidas em um único grupo pelas operadoras, o que é chamado de Agrupamento de contatado. É feita uma análise da utilização e riscos dessas, calculada a média e o risco é diluído entre todas.

Esse grupo de contratos receberá um percentual único de reajuste de plano de saúde que será aplicado no mês de aniversário de cada um dos contratos. Esse aumento deve ser informado pela operadora e ficar disponível para consulta.

Reajuste de planos empresariais com mais de 30 vidas

Os planos empresariais com mais de 30 vidas possuem um pouco mais de poder de negociação já que a contratante pode negociar com a operadora ou administradora de benefícios de quanto será o reajuste de plano de saúde.

A operadora precisa fazer o cálculo do percentual que será aplicado e demonstrar para a pessoa jurídica para justificar os aumentos. Visualizando essas informações, fica mais fácil de negociar e conseguir preços mais atrativos, porém, é preciso que ambas as partes concordem.

Reajuste de plano de saúde por faixa etária

Outro reajuste de plano de saúde que pode ocorrer é por conta da idade do beneficiário e essa regra se aplica em todos os planos, tanto os empresariais como os de pessoas físicas.

Quanto mais idade a pessoa tem, maiores serão os cuidados necessários com a saúde, isso significa utilizar mais a assistência médica, por isso a ANS criou o reajuste por fixa etária.

As atuais faixas etárias utilizadas são: 0 a 18, 19 a 23, 24 a 28, 29 a 33, 34 a 38, 39 a 43, 44 a 48, 49 a 53, 54 a 58 e 59 anos ou mais.

Isso quer dizer que ao fazer aniversário e mudar de faixa, o beneficiário pode sofrer reajuste de valores, independentemente da data de correção anual do plano de saúde. Isso ocorre até que a pessoa atinja 59 anos, após isso ela não poderá mais ter aumentos por idade.

Essas informações relativas ao reajuste de plano de saúde devem ser especificadas no contrato, porém, nesse documento não existe o detalhamento de como é feito o cálculo, por isso é importante que os gestores das empresas se informem com antecedência e preparem as finanças.

Plano de saúde mais barato, é possível?

Plano de saúde mais barato, é possível?

Uma forma da empresa garantir bons profissionais é o investimento em benefícios para os funcionários e, para encontrar um plano de saúde mais barato e que não pese no orçamento é um desafio.

Não é necessário cortar os benefícios para reduzir os custos, é possível conseguir um plano de saúde mais barato e que atenda às necessidades avaliando alguns pontos, e fazendo a escolha correta. Veja ao que a empresa deve se atentar.

Faça pesquisa em diferentes operadoras

Existem boas operadoras no mercado que oferecem assistência médica e cada uma delas costuma trabalhar com uma tabela de valores.

Ao fazer uma pesquisa ampla considerando diferentes fornecedores é possível encontrar um plano de saúde mais barato, que disponibilize tudo o que é necessário e que não comprometerá as finanças.

Leia também: Corretora de saúde SP: Conheça os diferenciais da Coplana

Avalie o tipo de acomodação

A acomodação em caso de internação que mais garante privacidade é o apartamento, porém, esse serviço costuma ser bem pouco utilizado e acaba se pagando um valor alto por ele.

Uma opção para não renunciar à segmentação assistencial hospitalar e reduzir valores é optar pela enfermaria, dessa forma os cuidados seriam mantidos sem gerar altos custos.

Troque por um plano de saúde compatível

Se quer um plano de saúde mais barato uma opção é trocar. A troca pode ser feita por uma assistência da mesma operadora, mas que tenha um valor reduzido ou até mesmo de outro fornecedor.

Em muitos casos é possível negociar com as operadoras e conseguir algumas vantagens financeiras sem precisar fazer uma troca impactante.

Contrate uma abrangência geográfica compatível

A área em que os colaboradores serão atendidos influencia no valor pago, por isso, saiba escolher bem a abrangência. Muitas vezes não é necessário ter uma cobertura internacional já que raramente alguém viaja a trabalho para fora do país.

Pode ser mais interessante optar por um plano estadual ou até mesmo regional que possui um número menor de prestadores de serviço e que tem uma mensalidade mais compatível com as necessidades da empresa.

Analise se o reembolso é viável

O reembolso permite que sejam realizados os exames e as consultas com prestadores de serviço de fora da rede credenciada, e seja ressarcido parte das despesas. Esse tipo de benefício pode encarecer o muito um plano de saúde.

Por isso, o mais viável para ter um plano de saúde mais barato é não contratar o reembolso e orientar os colaboradores que eles podem contar com profissionais de diferentes especialidades na rede credenciada.

A coparticipação deixa o plano de saúde mais barato

A coparticipação pode ser uma das melhores alternativas para deixar o plano de saúde mais barato, pelo menos do que diz respeito as mensalidades. Ela faz com que o custo fixo mensal seja reduzido e pode conscientizar os colaboradores em relação ao uso do plano.

Se a coparticipação for paga pelo beneficiário a empresa terá uma redução de custos e não haverá excesso em relação ao uso do plano, isso pode ser uma vantagem quando o contrato for renovado já que as operadoras tendem a beneficiar financeiramente as empresas que não geram altas despesas.

Um plano de saúde mais barato é possível, e para encontrar o produto ideal é preciso pesquisar e ter uma corretora de confiança para ajudar nesse processo de contratação, garantindo o investindo em um plano de qualidade, atendendo as suas necessidades.